Avançar para o conteúdo principal

Bullying Psicológico


Um dia aprendi na Faculdade o que era a palavra "Assertividade" - Capacidade para nos impormos sem sermos agressivos.
Falando agora em Bullying, não serão aqueles que tentam impor-se, mantendo a sua personalidade junto do grupo de pares, que mais sofrerão de bullying?
O Ser Humano, sendo intrinsecamente relacional, tenta durante toda a sua vida em sociedade um equilíbrio instável entre a sua individualidade e o espírito de grupo ao qual pertence.
O agressor, manifesta geralmente traços de Psicopatia, utilizando defesas narcísicas poderosas, que mascaram muitas vezes uma enorme insegurança.
A vítima, frequentemente seleccionada por ser mais introvertida ou diferente, tenta espontaneamente ser ela própria, mesmo que fugindo aos padrões vigentes.
Sabemos que a Adolescência se caracteriza pela inclusão nos grupos de pares, como forma de separação da família de origem, em preparação para a fase adulta, para a independência.
Mas não perdurará este equilíbrio entre o individual e o grupal até à terceira idade?
Sendo eu Psicoterapeuta e Membro da Sociedade Portuguesa de Grupanálise, identifico-me há muitos anos com a ideia de que o Homem vive inserido em grupos (família, amigos, trabalho, etc). Mas, não será tão importante fazermos destacar as opiniões de cada um, as atitudes e os comportamentos de cada um, a forma de sentir de cada um.
Parece-me extremamente urgente que o Bullying seja prevenido, que a assertividade se equilibre no seio dos grupos de identificação e essencialmente
que a Individualidade emerja entre as relações humanas neste planeta denominado Terra!

Conceição Santos Costa

Comentários

  1. Haver padrões já predefinidos para diversas profissões também não é uma atitude de bulling?
    Na sociedade existe padrões de vida, tudo o que estiver fora dela é difícil de penetração e de jakota... não será bulling?
    Promove-se a competitividade mas hoje em dia tudo vale para subir... alcançar os objetivos pisando tudo o que se atravessa a sua frente... não é uma atitude de bulling?
    Fala-se muito mas as atitudes é que contam e nelas se reflete a personalidade do próximo.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, Conceição Costa, pelo artigo. O Bullying é um tema que me interessa bastante; tanto como pessoa que o sofreu na pele e que considera que este causa "feridas emocionais" que permanecem pela vida fora; como psicóloga social que entende que este fenómeno deve ter mais estudos longitudinais - estudar o impacto deste bullying na infância e adolescência depois na vida adulta.
    Relativamente à questão colocada pela Cristina Macedo: " Haver padrões já predefinidos para diversas profissões também não é uma atitude de bulling?". Creio que esse fenómeno e denominado como Mobbing. E o mobbing também daria um excelente post.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

"Um Colo. Orgulho em ser Psicoterapeuta!"

"Um Colo. Orgulho em ser Psicoterapeuta!" (Escrito em 2017)   A minha experiência de mais de 20 anos como Psicoterapeuta, leva-me a sentir que o Ser Humano procura essencialmente um "cólo" (no sentido global da palavra). Alguém que se interesse genuinamente por ele, que esteja motivado para ser empático, que o apoie a lidar de uma forma mais feliz com o seu contexto de vida e com os outros. Sempre, é claro, não descurando os conhecimentos científicos, as técnicas, a experiência relacional profissional e a atualização teórica." 26/10/2021 Não me identifico com a neutralidade de um Técnico de Saúde Mental. Existem sempre sentimentos (contra-transferência) e sendo o Ser Humano, um Ser relacional, os afectos estão igualmente sempre presentes. Um Psicoterapeuta deverá, na minha opinião, ter capacidade de entrega e vocação. C.S.C.  

Motivação e Relação em Psicoterapia

   Motivação e Relação em Psicoterapia   Após estes mais de 20 anos de experiência no trabalho Psicoterapêutico, sinto cada vez mais a importância da motivação do paciente para a terapia mental. Quando a própria pessoa procura a ajuda de um Especialista, ela apresenta uma vontade de   ser mais feliz. Quando é outro que a pressiona a marcar consulta, a relação terapêutica pode até desenvolver-se, mas não foi a própria pessoa que sentiu a necessidade e tomou a atitude de procurar ajuda, e isso faz toda a diferença no processo. Se precisar de retirar um dente, mesmo que a motivação não seja abundante, a eliminação do mesmo poderá ser um sucesso. No entanto, toda a dinâmica da terapia da mente implica que a pessoa em causa pretenda genuinamente Mudar. Pode-se ir a um Psicoterapeuta para se conhecer melhor a si próprio, para resolver um sintoma relacionado com a área psicológica, entre muitos outros objectivos, mas existe uma condição fundamental que é a da Motivação. Quando alguém