Avançar para o conteúdo principal

Bullying Psicológico


Um dia aprendi na Faculdade o que era a palavra "Assertividade" - Capacidade para nos impormos sem sermos agressivos.
Falando agora em Bullying, não serão aqueles que tentam impor-se, mantendo a sua personalidade junto do grupo de pares, que mais sofrerão de bullying?
O Ser Humano, sendo intrinsecamente relacional, tenta durante toda a sua vida em sociedade um equilíbrio instável entre a sua individualidade e o espírito de grupo ao qual pertence.
O agressor, manifesta geralmente traços de Psicopatia, utilizando defesas narcísicas poderosas, que mascaram muitas vezes uma enorme insegurança.
A vítima, frequentemente seleccionada por ser mais introvertida ou diferente, tenta espontaneamente ser ela própria, mesmo que fugindo aos padrões vigentes.
Sabemos que a Adolescência se caracteriza pela inclusão nos grupos de pares, como forma de separação da família de origem, em preparação para a fase adulta, para a independência.
Mas não perdurará este equilíbrio entre o individual e o grupal até à terceira idade?
Sendo eu Psicoterapeuta e Membro da Sociedade Portuguesa de Grupanálise, identifico-me há muitos anos com a ideia de que o Homem vive inserido em grupos (família, amigos, trabalho, etc). Mas, não será tão importante fazermos destacar as opiniões de cada um, as atitudes e os comportamentos de cada um, a forma de sentir de cada um.
Parece-me extremamente urgente que o Bullying seja prevenido, que a assertividade se equilibre no seio dos grupos de identificação e essencialmente
que a Individualidade emerja entre as relações humanas neste planeta denominado Terra!

Conceição Santos Costa

Comentários

  1. Haver padrões já predefinidos para diversas profissões também não é uma atitude de bulling?
    Na sociedade existe padrões de vida, tudo o que estiver fora dela é difícil de penetração e de jakota... não será bulling?
    Promove-se a competitividade mas hoje em dia tudo vale para subir... alcançar os objetivos pisando tudo o que se atravessa a sua frente... não é uma atitude de bulling?
    Fala-se muito mas as atitudes é que contam e nelas se reflete a personalidade do próximo.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, Conceição Costa, pelo artigo. O Bullying é um tema que me interessa bastante; tanto como pessoa que o sofreu na pele e que considera que este causa "feridas emocionais" que permanecem pela vida fora; como psicóloga social que entende que este fenómeno deve ter mais estudos longitudinais - estudar o impacto deste bullying na infância e adolescência depois na vida adulta.
    Relativamente à questão colocada pela Cristina Macedo: " Haver padrões já predefinidos para diversas profissões também não é uma atitude de bulling?". Creio que esse fenómeno e denominado como Mobbing. E o mobbing também daria um excelente post.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Motivação e Relação em Psicoterapia

   Motivação e Relação em Psicoterapia   Após estes mais de 20 anos de experiência no trabalho Psicoterapêutico, sinto cada vez mais a importância da motivação do paciente para a terapia mental. Quando a própria pessoa procura a ajuda de um Especialista, ela apresenta uma vontade de   ser mais feliz. Quando é outro que a pressiona a marcar consulta, a relação terapêutica pode até desenvolver-se, mas não foi a própria pessoa que sentiu a necessidade e tomou a atitude de procurar ajuda, e isso faz toda a diferença no processo. Se precisar de retirar um dente, mesmo que a motivação não seja abundante, a eliminação do mesmo poderá ser um sucesso. No entanto, toda a dinâmica da terapia da mente implica que a pessoa em causa pretenda genuinamente Mudar. Pode-se ir a um Psicoterapeuta para se conhecer melhor a si próprio, para resolver um sintoma relacionado com a área psicológica, entre muitos outros objectivos, mas existe uma condição fundamental que é a da Motivação. Quando alguém

A influência Psicológica do uso de máscara em tempo Covid.

Sabemos da importância do contacto pelo olhar em qualquer relação humana. As expressões de rosto estão presentes na comunicação não verbal, influenciando as relações inter-individuais.   O nosso rosto costumava estar "exposto" num Mundo normal.   No entanto, hoje, neste terrível tempo de Pandemia, temos o dever social de nos protegermos recíprocamente através do uso de uma máscara.   Que consequências   a nível psicológico poderão suceder devidas a este facto?   O nosso olhar transmite emoções, sentimentos e   toda uma panóplia de mensagens, que podemos perceber desde uma idade muito precoce, como numa relação de uma mãe com o seu bébé. Quando usamos uma máscara que apenas deixa os nossos olhos visíveis, toda essa informação fica ampliada, porque são os únicos estímulos faciais   que   podemos utilizar para comunicar com o Outro. Todos os outros, como as expressões, estão encobertos.   Neste contexto, uma pessoa que apresente uma personalidade mais introvertida pode sentir-