Avançar para o conteúdo principal

Eurovisão da Canção e Psicologia



A maturidade leva-nos a observar e pensar de outros modos e a propósito da Eurovisão da Canção no passado sábado, apercebi-me melhor do que considero ser uma tendência, pelo menos dos portugueses.
Senti, mais uma vez, uma vontade "quase mórbida" em dizer-se mal daquilo que ainda era possível dizer-se mal (uma vez que a organização desta Eurovisão até correu tão bem), muito frequentemente expressado nas redes sociais (espaço privilegiado para quem tem dificuldades com a assertividade e o conflito, por ser virtual).
Parece-me que esta motivação para tudo se criticar e não de forma positiva, pode encontrar origem numa necessidade de atenção ou mais especificamente de CÓLO.
A minha experiência de mais de 20 anos como Psicoterapeuta, leva-me a sentir que o Ser Humano procura essencialmente um "cólo" (no sentido global da palavra). Alguém que se interesse genuinamente por ele, que esteja motivado para ser empático, que o apoie a lidar de uma forma mais feliz com o seu contexto de vida e com os outros.
Sempre, é claro, não descurando os conhecimentos científicos, as técnicas, a experiência relacional profissional e a actualização teórica.

Tentando fazer uma ponte com a Psicologia, que também responde ou deve responder a um PEDIDO de Apoio, considero que em vez de se criticar tudo e todos, muitas vezes de uma forma tão infrutífera, se deve procurar saber o porquê desta necessidade e procurar um Psicólogo.
Foi aí que me recordei...
Uma quarta feira passada, encontrava-me perto do IPO numa pastelaria.
Após um dia a lidar com os problemas mentais dos meus pacientes, satisfazia o estômago que já pedia.
Foi aí que me deparei com um menino frágil em sofrimento.
Senti a ingenuidade sofrida e tocou-me. Tanto...
Costumo afirmar que os problemas são relativos a cada pessoa e que a frase "Há coisas piores", não me faz sentido. Mas...
Tive necessidade de vos deixar esta mensagem. Valorizemos os bons momentos da vida, tentando relativizar alguns pormenores e procurando ser felizes ao concretizar os nossos objectivos.
Deixo um beijo nessa criança que vi, sem o conhecer. E a todas as outras...

Conceição Santos Costa

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sabe bem o que é um Psicólogo?

Da minha experiência profissional, nem sempre os pacientes sabiam o que era e qual a função de um Psicólogo.
Tenho-me vindo a aperceber que um maior conhecimento se tem expandido desde há alguns anos, nomeadamente através da comunicação social e devido também ao enorme número de licenciados portugueses nesta área dos últimos tempos.
Um Psicólogo é um profissional que se licenciou numa Ciência denominada Psicologia, que estuda o Comportamento Humano e que se destacou da Filosofia.
A função essencial de um Psicólogo ao fazer Psicoterapia é a de PENSAR em conjunto com o paciente. Pensar sobre os seus problemas, dificuldades, relacionamentos, sobre a sua vida.
Poderão perguntar, para que preciso de um Psicólogo se tenho um QI suficiente para pensar sobre mim? E até tenho alguém, familiar, amigo, com o qual posso fazê-lo.
Existe uma enorme diferença, saberão, entre pensar sozinho ou acompanhado, uma vez que se não tivermos interlocutor, será apenas a nossa subjectividade, sem confronto de …

Bullying Psicológico

Um dia aprendi na Faculdade o que era a palavra "Assertividade" - Capacidade para nos impormos sem sermos agressivos.
Falando agora em Bullying, não serão aqueles que tentam impor-se, mantendo a sua personalidade junto do grupo de pares, que mais sofrerão de bullying?
O Ser Humano, sendo intrinsecamente relacional, tenta durante toda a sua vida em sociedade um equilíbrio instável entre a sua individualidade e o espírito de grupo ao qual pertence.
O agressor, manifesta geralmente traços de Psicopatia, utilizando defesas narcísicas poderosas, que mascaram muitas vezes uma enorme insegurança.
A vítima, frequentemente seleccionada por ser mais introvertida ou diferente, tenta espontaneamente ser ela própria, mesmo que fugindo aos padrões vigentes.
Sabemos que a Adolescência se caracteriza pela inclusão nos grupos de pares, como forma de separação da família de origem, em preparação para a fase adulta, para a independência.
Mas não perdurará este equilíbrio entre o individual e …